Solicite
um orçamento

Dicas

DICA DE ESPECIALISTA

Por Simone Las Casas

SEGURANÇA ALIMENTAR

Em 2015 a Organização Mundial da Saúde (OMS) elegeu o tema “Do campo à mesa, obtendo alimentos seguros” para as comemorações desta data. A boa nutrição é um fator determinante para a garantia da boa saúde.

comida 2

A segurança alimentar e a boa nutrição são indissociáveis. O consumo inadequado de determinados tipos de alimentos ou ingredientes, como excesso de sal, açúcar e gorduras podem levar a ocorrência de algumas doenças crônicas, como o diabetes e a hipertensão. Paralelamente, a prática de atividades físicas também é essencial para a saúde de qualquer indivíduo.
Alimentos não seguros geram um ciclo vicioso de doença e desnutrição que afetam particularmente os mais vulneráveis (crianças, idosos e doentes).

comida 4

A Expertise Spa Consulting preparou um informativo com muitas dicas para vocês colocarem em prática e estarem sempre seguros quanto à alimentação de vocês:

SETE HABITOS INCORRETOS MANTIDOS NA COZINHA

1) Cortar carnes cruas e vegetais na mesma tábua
Seja em tábua de madeira ou de plástico, cortar carne crua e, sem lavar, cortar vegetais no mesmo lugar é chamado de contaminação cruzada. As carnes cruas vêm com uma carga de micro-organismos que passam diretamente para os vegetais. Os micro-organismos da carne serão eliminados durante o cozimento, mas, como os vegetais são consumidos crus, levam para a mesa uma diversidade de problemas.
2) Não cuidar a temperatura dos alimentos
A ideia é fazer aquele frango, que está congelado, no jantar.
– Muitas pessoas estão acostumadas a tirarem o alimento do freezer bem cedo e deixá-lo na bancada da cozinha para descongelar em temperatura ambiente. E é exatamente isso que dá condições para os micro-organismos se multiplicarem. Assim como não se pode congelar nada quente, não se pode descongelar rápido – explica a professora.
O ideal é baixar do freezer à geladeira para que, ao longo do dia, o alimento adquira a forma ideal para cocção.
3) Lavar o frango
Uma campanha da agência de segurança alimentar britânica Food Standards Agency (FSA) alerta para os riscos de lavar o frango antes de iniciar a preparação. Chesini aponta que a água dá condições perfeitas para que os micro-organismos se multipliquem.
– Água e temperatura entre sete e 60 graus são condições ideais para proliferação de bactérias e tornar o alimento mais inseguro – aponta a especialista.
Esse hábito espalha a bactéria Campylobacter, que, quando em contato com o organismo humano, causa intoxicações alimentares severas que podem levar à morte.
4) Comprar comida colonial na beira da estrada
– Na verdade, é uma colônia de bactérias que se forma nesses ambientes. Pescados, leite e derivados, linguiças, mel e ovos devem ser comprados em estabelecimentos com inscrição, seja municipal, estadual ou federal.
5) Manter os ovos em ambientes abertos, mesmo na geladeira
Ovos devem ficar em potes com tampa. Os ovos fora da geladeira duram em média 22 dias; e, dentro, 30 dias. A salmonela, principal bactéria presente no alimento, só é eliminada com temperaturas acima dos 60 graus.
– Gema dura deve ser a principal regra. Nunca gema mole. A salmonela vive na casca do ovo e, quando quebramos a casca, ela entra no alimento e também causa doenças que podem levar à morte – indica Chesini.
6) Reaquecer a comida
A sobra de comida do almoço, muitas vezes, vai para a geladeira para ser requentada no jantar. Novos micro-organismos podem passar a viver nos alimentos. Portanto, o ideal é ferver a comida novamente e não apenas amorná-la.
7) Não limpar os espetos depois do churrasco
Aquela ideia de que espetos engordurados não enferrujam é verdade até certo ponto. Espetos sujos de gordura são ambientes ideais para manter bactérias que causam doenças seriíssimas. A dica é: lavar os espetos sempre logo depois de assar a carne, secá-los e passar um pouco de óleo.

comida 3

DEZ PASSO PARA UMA ALIMENTAÇÃO ADEQUADA E SAUDÁVEL

1) Fazer de alimentos in natura ou minimamente processados a base da alimentação
2) Utilizar óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias
3) Limitar o consumo de alimentos processados
4) Evitar o consumo de alimentos ultra processados
5) Comer com regularidade e atenção, em ambientes apropriados e, sempre que possível, com companhia
6) Fazer compras em locais que ofertem variedades de alimentos in natura ou minimamente processados
7) Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias
8) Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece
9) Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora
10) Ser crítico quanto a informações, orientações e mensagens sobre alimentação veiculadas em propagandas comerciais

comida 6